sexta-feira, 22 de novembro de 2013

125. Maratona de Curitiba

Local: Praça do Centro Cívico - Curitiba - PR
Data: 17/11/13 - 7h15min - 14 a 20ºC - Numeral: 1543
Site.: http://www.maratonacuritiba.com.br

Principais Parciais:
10km em 00:57:35 pace 5:45
15km em 01:27:24 pace 5:49 
21km em 02:02:49 pace 5:50
25km em 02:25:51 pace 5:50
30km em 02:56:13 pace 5:52
35km em 03:29:04 pace 5:58
40km em 04:05:55 pace 6:08

Resultado: 42,195 km em 04:22:44 pace 06:13 min/km

Foto da chegada. 5ª. maratona cumprida.

É preciso preparo.
Mais uma maratona cumprida. Graças a Deus, graças mesmo. Afinal, esta maratona foi a maratona que eu mais rezei para dar tudo certo. E Deus foi muito bom comigo. Obrigado. No domingo não conseguia nem tomar o café da manhã tamanha minha ansiedade e preocupação. Só pensava na encrenca que eu tinha me metido: correr uma maratona sem treinos constantes, sem longos consistentes e progressivos, sem musculação e 5 kg acima do meu peso ideal. Inclusive depois da Oscar Fashion Running estava há uma semana parado, nenhum treino na semana da prova. Muitos trabalhos extras e compromissos na reta final pro meu casamento. A Leiliane e o Erick (os dois nos 10km's) tentavam me tranquilizar, inclusive acenando com a possibilidade de parar caso o sofrimento fosse insuportável. Correr uma maratona é isto: suportar o sofrimento.

Vou, mas vou com medo.
Larguei com a tática de fazer a 1a. meia mais rápido que a 2a. Mais adiante se o sol saísse pelo menos estaria mais perto do fim. Fui bem ressabiado, com medo... mas fui. O clima ajudou e as primeiras parciais foram muito boas. O percurso é um sobe e desce constante, considero-o como o mais difícil que as demais quatro maratonas que corri (e aqui relatadas). Ao passar pela marca da São Silvestre (15 km) estava mais tranquilo, boas parciais e esperançoso pela marca da meia maratona.  Ao chegar, cravei 02:02:49, logo pensei: é possível ir bem, preciso acreditar. O importante não era o passado sem treinos, mas a mágica que eu poderia fazer naquele momento. Só então coloquei o ipod... e como a música me impulsiona fui em busca de ao menos um sub-4h30min. Pra quem chegou a procurar no regulamento pelo horário limite de prova (6 horas), essa meta era uma vitória pessoal.

Foco no sub 4h27min. Raça.

Um urso no caminho.
As variadas subidas foram minando minha força aos poucos. Oh cidade pra ter subida. No km 33 enfrentei uma subidinha de viaduto chata, em seguida sua descida, corri uns 200mts até contornar uma rotatória e voltei a subir e a descer o mesmo viaduto.... daquele momento em diante meus paces elevaram-se e começou pra valer a maratona. Lembro exatamente deste pensamento: "Michel, vamos ser sinceros... estava muito fácil e assim não terá mais graça. Agora que realmente começou a maratona.". Mantive o foco e comecei a fazer cálculos em busca da meta de sub 4h30min. Foi quando estabeleci uma outra meta em cima que me motivou, e muito: Correr abaixo de 4h27min e fazer nesta a minha melhor maratona em solo brasileiro. Mesmo assim não foi fácil manter a pegada, ainda mais quando no km 37 apareceu a maior subida da prova, uma tal de subida da Queen, que alguns corredores (provavelmente conheciam o percurso) faziam piadas durante a prova. Simplesmente monstruosa, e nela andei pela 1a. vez. Esse precedente gerou mais duas e curtas caminhadas nas subidas seguintes.

Km 40. Faltava pouco, muito pouco...

Obrigado por tudo.
Ao andar, procurava me acalmar, oxigenar o cérebro e refazer as contas para o sub 4h27min. Foi então que me dei conta que tirando o cansaço não sentia nenhuma dor, nem mesmo no meu joelho direito que é  meio bichado. Sem câimbras, enquanto alguns se alongavam pelo meio fio e outros corriam puxando a perna. Pela enésima vez rezei, agradeci a Deus por todas as possibilidades, inclusive mesmo diante de tantos compromissos ainda conseguir viajar, correr e viver experiências maravilhosas como esta. Então, num dado momento disparei e não mais parei até cruzar a linha de chegada... como nas demais maratonas, hiper emocionado e chorando. E assim que deve de ser: se um dia ela - a maratona, mãe do atletismo - não mais me emocionar profundamente, não haverá mais motivo para corrê-la, para tanto sofrimento.

Que venha a próxima: Maratona de Paris, dia 06 de abril de 2014.

4 comentários:

Fábio Namiuti disse...

Prova muito bem corrida e muito bem descrita, Michel. Parabéns por ela e pelo recorde nacional. Um dia ainda corro em Curitiba também. Abraços e até domingo na Univap.

Jorge disse...

Fala Michel mandou super bem no relato e na maratona, falando nela foi nela que detenho o meu recorde em Maratonas em 2h 52min...Meus Parabéns meu amigo e boa preparação para a Maratona de Paris.

Bons treinos,

Jorge Cerqueira
Ultramaratonista
www.jmaratona.com

Anônimo disse...

Michel mandou bem no relato e na maratona, falando nela é nela que detenho o meu recorde em maratona onde fiz em 2004 - 2horas 52 Minutos...Meus parabéns amigo e desde já desejo boa preparação para Maratona de Paris.

Bons treinos,

Jorge Cerqueira
Ultramaratonista
www.jmaratona.com

Jorge disse...

Michel mandou bem no relato e na maratona, falando nela é nela que detenho o meu recorde em maratona onde fiz em 2004 - 2horas 52 Minutos...Meus parabéns amigo e desde já desejo boa preparação para Maratona de Paris.

Bons treinos,

Jorge Cerqueira
Ultramaratonista
www.jmaratona.com