quarta-feira, 5 de maio de 2010

50. 16ª. Maratona Internacional SP

Local: Av. Jorn. Roberto Marinho - Brooklin - SP
Data: 02/05/10 as 8h58min - Clima: 25ºC Sol
Nro.: 5832 - Peso: 78 kg - Tênis: Asics Nimbus 11
Percurso: 42,195 km - Altimetria: Media - Foto:














Relato: Junho de 2007: Primeiro passo para uma grande jornada. Maio de 2010: Inúmeros passos e alguns números: 50 provas em 525 km's competidos, inúmeros treinos em 1.396 km's percorridos. Totalizando: +/- 149 horas em constante movimento. Pausas pelo caminho ? Diversas: desmotivação, lesão, doença e até cirurgia. Mas persisti e aqui estou como maratonista, para relatar, comemorar e agradecer por este sonho realizado. Aliás, fica aqui um desabafo: Nunca diga para uma pessoa que o sonho dela é uma ilusão.

"Na vida, as maiores lutas do homem são travadas na solidão. Assim também é nas corridas longas. E nestas, como na vida, o ato de participar é mais importante do que vencer, ainda que seja a ilusão da vitória que nos dê forças para continuar lutando." O lendário Emil Zatopek, sintetiza nesta frase tudo o que eu acho que acho sobre uma maratona. Permanecer por tantos minutos, mergulhado na solidão temporal de tantas passadas, a fim de se cruzar uma linha de chegada que nunca chega e que em muitas das vezes não terás nem o merecido aplauso, é de uma abnegação e humildade quase ascética. Seja por isso que a maioria dos maratonistas vem de famílias pobres, pois eles sabem como sofrer. Correr é o esporte mais fácil, prático e pobre (na concepção financeira da palavra) que conheço. Aliás, inexiste o fator socioeconômico: não necessitas de hora e local específico, nem companheiro e/ou adversário, nem mesmo de equipamentos para ser mais xiita. Correr é um paradoxo ao enfrentar a solidão em busca do prazer, da alegria, seja ela balsamada pela adrenalina, endorfina, dopamina... Talvez, o efeito deste paradoxo fica claro na atração quase fisiológica que os corredores têm em reunir-se em equipes, realizarem treinos coletivos, trocarem tantas idéias, enfim, tentarem suprir através da socialização a solidão enfrentada diante de tanta superação e esforço desprendido. E, numa maratona, e sua preparação, isto fica mais explicito. Por isso agradeço e muito a todos aqueles que me apoiaram: os amigos não corredores e principalmente os corredores, a minha namorada Leiliane, a minha família e a Deus.
Todos têm objetivos. Consciente da não plenitude de minha preparação para estrear: muitos treinos e musculações pulados, dois longões abreviados e uma chata dor na panturrilha, colocaram-me na defensiva. Assim, o sonhado sub-4h ou o almejado sub-4h12min (pace 6 min/km) estava claramente distante, visto o disposto. Mesmo assim fui à busca do pace perfeito (6 min/km) e larguei estrategicamente para um split positivo: rodar abaixo de 6 mim/km até a meia maratona. Pois sabia que na segunda meia o sol ia apertar, o cansaço e a dor chegar, e ia começar a definhar. Assim passei forte nos primeiros km’s: inteiro, confiante e correndo prazerosamente bem. Percebei, porém não reconheci que a abertura da margem pro objetivo estava exagerada nas parciais, conforme demonstrado: 05 km: 00:27:41, 10 km: 00:54:38, 15 km: 01:23:21, 21 km: 01:58:47, ou seja, pace na 1ª. meia de 5'39".

Forte, mantenho, com o objetivo de esticar este ritmo até os 25km. Chego fisicamente bem e inúmeros corredores na modalidade 25km finalizam sua participação no evento. A quantidade de corredores cai vertiginosamente e neste ponto crítico, agravado por dois grampos, o psicológico quase desengrena. Encontro com o Guilherme Maio que passa e puxa a fila, assim como o Renny de SJC e vejo num dos grampos, um pouco atrás o amigo de pace Fábio Matheus, que espero encontrar para me puxar mais adiante quando eu for reduzir. Até aqui tudo bem... 26, 27, 28 com uma elevação nestes paces +/- de 6'15".

No km 29 sinto um desconforto na perna direita, reduzo. Fábio Matheus encosta e chama, declino. Mantenho a marcha lenta e num grampo no km 30 veio à primeira das sucessivas câimbras, justamente na panturrilha direita que estava no limite desde os treinos de polimento. O susto foi tão grande que um grito foi inevitável. A partir daí, os problemas físicos foram aumentando, talvez pela intermitência: trote/caminhada/trote. Relatar todo o sofrimento aqui ficaria longo, mas resumo dizendo que a sensação de estar com o cardiorrespiratório inteiro, mais a imensa vontade de correr e não conseguir, não ter a confiança na passada, é desesperador. Só me restava trotar, muitas vezes parar, alongar, caminhar e trotar. Nesta toada os paces variaram entre a mínima de 7’37” no km 31 até a máxima de 9'09" no km 39. Procurei abstrair, pensar em coisas diferentes, cantei, rezei e desencanei com o tempo, minha preocupação era apenas em não travar tudo e não consegui terminar.















Assim seguia. Até que quando as câimbras já estavam implícitas nas passadas, a dor já não era mais dor, e o cansaço não podia mais ser chamado de cansaço, entro na reta final ao uníssono som de “vai Michel” ecoando da arquibancada, pela entusiasmada torcida da Leiliane e dos amigos corredores. Emocionado, desidratado, com lágrimas nos olhos e sorriso no rosto, enfim, cruzo a linha de chegada. Longa pausa... passa uma vida na minha mente, curto o momento e silenciosamente comemoro. Vou pegar o kit pós-prova e antes mesmo de colocar a medalha no peito, ouço novamente a voz da Leiliane e sou recepcionado com um “Parabéns meu Michel MARATONISTA !”. Emocionante. Nesta maratona não sei quantas vezes respirei, mas sei quantas perdi o fôlego de emoção.

Resultados: Tempo:
04:35:29 - Pace: 06:32 min/km


Avaliação da Prova: Percurso difícil (vários grampos) com segurança e sinalização impecáveis. Hidratação bem posicionada, porém alguns postos quente. Kit pós-prova recheado, com duas camisetas (uma tecnológica, outra de algodão) e linda medalha MARATONA. Organização ótima, porém a Yescom/Rede Globo pisam na bola com o horário tardio da largada, numa cidade abafada como SP. No mais, SHOW !

Nota final: 4,5
1 - péssimo, 2 - ruim, 3 -bom, 4 - ótimo, 5 - excelente

10 comentários:

G.M. disse...

Michel,
Parabéns, guerreiro !
Excelente o seu relato.
Grande conquista.
Uma inequívoca vitória, em uma irrepreensível estreia.
Congratulações !
Ass.: Guilherme.

Fabio Matheus disse...

Parabéns Michel!! Conforme conversamos depois da prova, a Maratona é para um grupo seleto, conciliar trabalho, familia etc com os treinos não é facil, ainda mais treino para Maratona, o que só aumenta nossos méritos. E como diria aquela frase:
"Se você quer correr, corra uma milha. Se você quer experimentar outra vida, corra uma maratona. (Emil Zatopek)"

Realmente a vida é outra depois da danada!

Abraço e qual a proxima? haha

Jorge disse...

Seja bem vindo ao mundo das longas distâncias Michel, cara vc arrasou no seu post, já pensou em escrever algum livro, senão pensou pode tratar de pensando, um verdeiro poeta maratonista...Parabéns tanto pela sofrida maratona concluída como o post.
Cara tem um determinado lance no seu post que vc diz assim "Seja por isso que a maioria dos maratonistas vem de famílias podres". Creio eu que houve erro de digitação será que vc não quis dizer a palavra POBRE...Veja ae...
Realmente a Maratona de SP é duríssima pelo percurso mais ao cruzar a linha de chegada ahhh isso não tem preço, legal a sua chegada no vídeo mais uma vez parabéns e sucessos nas longas distâncias camarada.

Um abraço,

Jorge Cerqueira
www.jmaratona.com

Silvio disse...

Michel
Sem dúvida foi o melhor relato da Maratona que eu já vi até agora.
Voce conseguiu retratar perfeitamente a emoção de completar esta prova.
Parabéns pelo relato e mais ainda pela garra e obstinação em completar esta verdadeira MARATONA.
Só quem viu seu sacrifício sabe do que estou falando.
Espero no ano que vem poder entrar para este grupo.
A experiência deste ano foi muitíssima válida para mim para saber o que fazer e o que não fazer para estar bem no ano que vem e poder ter o orgulho de ser chamado de MARATONISTA.

Fábio Namiuti disse...

Essa foi dureza, meu amigo Michel. Mas eu sabia que você iria conseguir, porque acompanhei parte dos seus treinos e vi de perto, em vários momentos, o quanto você é determinado. Se a preparação poderia ter sido mais bem-feita, ninguém melhor que você mesmo para analisar. Sem pressa, a seu devido tempo, não vão faltar oportunidades para você tentar outras vezes e conquistar resultados ainda melhores.

Parabéns pela estreia, pela boa marca obtida e por toda a garra demonstrada. Passei por situação semelhante na minha primeira maratona e sei bem o quanto uma cãibra multiplica as dificuldades naturais que a distância, sozinha, já impõe.

Que venham os próximos desafios. Como disse para o Fabio Matheus, quaisquer que sejam os seus planos para o segundo semestre, que você possa realizá-los ao lado dos muitos amigos que você tem e que torceram muito por você nesse grande desafio.

Um abraço e até as próximas!

Fábio

Orlando disse...

Michel, fiquei impressionado com seu relato dessa façanha. E o vídeo da sua chegada foi incrível, me emocionei ao vê-lo.Meus parabéns amigo, vc venceu um desafio sensacional.

Gerson Narezzi disse...

Michel!! por isso que demorou postar,
Cara, a emoção foi tanta ao ler esse relato, que confesso; Os olhos encheram de lagrimas, mas lagrimas de emoção de felicidade, de ver vc vencendo mas uma etapa nessa vida de corredor agora " Maratonista" Parabéns vc merece, meu garoto !!!!!!!!!!!!!!

Gerson Narezzi

Joel dos Santos Leitão disse...

Michel,
Fantástico o desafio que você enfrentou, meu amigo!
Felizmente até hoje eu nunca lidei com câimbras nas corridas. Talvez meu pace-tartaruga venha me livrando desses grandes inconvenientes.
Fiquei feliz com a sua vitória e me emocionei com a recepção de sua namorada ao final da prova.
Aí só posso dizer uma coisa para você: Essa é pra casar!!!!!! Não vacila!!!! rssssss
Forte abraço!
Obrigado pelo coment no meu blog.

Silvio disse...

Michel
Nao me canso de ler seu relato.
A cada releitura busco nos detalhes visualizar sua superação.
Como o Narezzi disse: Impossível não rolar lágrimas ao lê-lo e me imaginar buscando o mesmo objetivo ano que vem.

Leiliane *.* disse...

Michel

Sei o quanto você se dedicou os treinos e o quanto mais você queria treinar, pois tudo isso é importante pra você, sabendo disso
passou a ser importante pra mim.

Quando você me disse do treino de caçapava dos 30 km, parecia exagero um longão desse, mas eu apoiei você, porque sempre acreditei que você é capaz.

Domingo de maratona quando vi você passando pela largada meu coração ficou apertado de saber que ia te ver somente horas depois, e a cada hora que passava imaginava que você estava cansado, com sede entre outras coisas, cheguei até Orar a Deus para te dar forças e você chegar bem, quando se aproximou de 4 hs de maratona me aproximei da arquibancada e fiquei atenta a cada um que vinha de longe para não perder nenhum detalhe, já estava ficando casada, rs* até que de longe, muito longe vi você de boné branco, roupa amarela e azul, foi muita emoção a vontade era de gritar vaiii Michel vaiiiiiiiiiii, mas você não ia me ouvir, mas quando você se aproximou não teve como rs**... gritei muitooooo mas de alegria , muita alegria porque você estava muito bem.

Logo que você passou fui correndo encontrar você na entrega dos kits´s e com muito orgulho tive a chance de beijar um Maratonista que é lindo por sinal e melhor ainda é meu namorado rs*

Parabéns Mi, você merece muito, esse reconhecimento.

P.S.: Mi quero muito voltar a correr e correr longas distâncias como você e juntinho de você...
TE AMO!!!